Versículo do dia
Porque não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado.

Suécia é o melhor país do mundo para ser menina, segundo relatório da ONG Save the Children

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

_91547960_8920f2f6-f288-4408-aa4d-6bff97d5031d

Estudo da ONG Save the Children coloca o Brasil entre os piores países do mundo para ser uma menina. O país foi classificado em 102º lugar entre 144 pesquisados. O relatório foi divulgado por ocasião do Dia Internacional das Meninas.

 

O documento analisa índices de casamento infantil, gravidez na adolescência, acesso a direitos reprodutivos, escolaridade e participação de mulheres na política.

 

O relatório mostra ainda que o Brasil é o pior lugar da América do Sul para ser uma menina — na América Latina, fica na frente apenas de Guatemala e Haiti. O ranking é encabeçado por Suécia, Finlândia e Noruega. O primeiro da América Latina é Cuba, na 34ª.

 

De acordo com o documento, o Brasil aparece no ranking atrás de nações como Sudão, Iraque, Índia e Síria, que enfrentam duradouros conflitos internos ou recorrentes casos de abuso sexual, principalmente contra as mais novas.

 

Segundo a Save The Children, o Brasil, apesar de ser um país de classe média e a maior economia da América Latina, registra baixos índices de escolaridade secundária entre as meninas.

 

Outro problema no Brasil, de acordo com o estudo, é a falta de representação política das mulheres. A ONG se baseou em dados da Women in National Parliaments, que avalia a porcentagem de mulheres nos parlamentos em cada país, que colocou o Brasil como 155º dentre 187 países. Dentre os eleitos em 2014, menos de 10% dos parlamentares são mulheres.

 

O relatório revela também que, em todo o mundo, uma garota com menos de 15 anos se casa a cada sete segundos e que mais de 1 milhão de jovens dessa faixa etária se tornam mães a cada ano. Geralmente, essas meninas contraem matrimônio com homens muito mais velhos por causa da pobreza ou de normas discriminatórias.

 

Além disso, a cada 12 meses, 70 mil adolescentes entre 15 e 19 anos morrem por causas ligadas à gravidez ou ao parto.

 

YAHOO NOTÍCIAS

OUTRAS NOTÍCIAS