“Tentei conversar, mas infelizmente não houve compreensão por parte deles”, diz Edvaldo Lima

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

11156210_896869063709214_3948777327256403098_nNa manhã desta terça-feira (14), integrantes do movimento (LGBT) Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais de Feira de Santana se reuniram na Câmara Municipal. O pequeno grupo movimentou a Casa da Cidadania, com gritos, interrompendo o discurso dos edis presentes. Mas o que chamou à atenção foi a forma desrespeitosa que os manifestantes agiram, no momento em que promoveram o tal do “beijaço.”

 

Para o vereador Edvaldo Lima (PP), cada um é livre para fazer o que quiser. “Volto a repetir, não tenho nenhum preconceito e muito menos sou homofóbico. O que não concordo é essa atitude de beijos em locais públicos.

 

Na galeria sempre tem a presença de crianças e idosos. Qual é a mãe que acha correto os filhos pequenos assistirem há essa sena? Como colocar na cabeça dos idosos, que hoje é outra era? que seus filhos, netos e bisnetos tem costumes diferentes aos seus ensinamentos.

 

A casa da Cidadania é um local público e de respeito, que recebe a população diariamente. Não acho correto nenhuma forma de manifestação de beijo, seja ela qual gênero for”, declara.

 

“Luto por uma Feira que tenha um transporte digno, saúde, educação, ruas calçada e pavimentadas. No momento em que terminou a sessão, fui tentar conversar com o grupo LGBT, e mostrar meus propósito, minha forma de trabalho e a luta constante para melhorar o transporte público, já que um deles carregava um cartaz reivindicando essa explicação.

 

Mas não fui ouvido, gritos e chacotas foram feitas a mim. Fui o único vereador que se propôs a conversar com eles, mas infelizmente não houve compreensão por parte deles”, afirma.

 

Assessoria de Comunicação

OUTRAS NOTÍCIAS