Versículo do dia
E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos.

Tipo sanguíneo pode aumentar chances de Alzheimer

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

unnamed (2)Uma pesquisa publicada pelo Boletim de Pesquisas Cerebrais, revelou que o tipo sanguíneo pode também influenciar suas chances de desenvolver doenças cognitivas, como o Mal de Alzheimer.

 

O estudo, realizado por pesquisadores da Universidade de Sheffield, na Inglaterra, aponta uma relação entre a quantidade de massa cinzenta (um tecido que forma parte do cérebro) e o tipo sanguíneo de uma pessoa.Os cientistas descobriram que pessoas com sangue tipo O tinham mais matéria cinzenta do que aquelas com qualquer um dos outros três tipos (A, B e AB). Ainda de acordo com os especialistas, quanto maior for o volume de massa cinzenta, maior é a proteção do corpo contra doenças como o Alzheimer.

 

Os participantes do estudo eram jovens mentalmente saudáveis, que já tinham feito testes de ressonância magnética em outros estudos. Após a descoberta do tipo de sangue, os pesquisadores examinaram os dados dos cérebros de cada pessoa.Eles descobriram que as pessoas com sangues tipo A, B e AB tem uma quantidade menor de matéria cinzenta na parte posterior do cerebelo.

 

“Os resultados parecem indicar que pessoas que têm um tipo de sangue O estão mais protegidas contra doenças em que a redução volumétrica é vista em regiões temporal e mediotemporal do cérebro, como o Alzheimer”, disse Matteo DeMarco, um dos autores da pesquisa, em entrevista ao site especializado IFL.

 

Devido ao envelhecimento, o volume da matéria cinzenta diminui. Algumas das primeiras partes do cérebro que são danificadas pelo Alzheimer são as “temporais e límbicas”. Essas são áreas do cérebro que também estão localizadas na parte traseira do órgão.

 

A pesquisa constatou que elas são menores em pessoas com tipos sanguíneos A, B e AB.“No entanto, testes adicionais e mais pesquisas são necessárias, pois outros mecanismos biológicos podem estar envolvidos”, disse DeMarco ainda em entrevista ao site IFL. Com informações da Exame.com.

 

As informações são do iBahia.

OUTRAS NOTÍCIAS