Tite foge de rótulos antes de jogo com Chile e afirma buscar time equilibrado

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

O técnico Tite concedeu entrevista coletiva nesta quarta-feira (23), véspera do confronto diante do Chile, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo. Questionado sobre a própria filosofia de jogo, se é defensiva ou ofensiva, o comandante da Amarelinha buscou fugir de rótulos. O treinador apontou que é um profissional que possui preferência por equipes equilibradas.

Tite ainda fez uma análise profunda sobre o assunto. O comandante refletiu sobre a “lógica” do futebol, que é fazer gol e não tomar. O técnico da seleção brasileira ainda citou o saldo médio da equipe para ressaltar o equilíbrio do selecionado canarinho.

“Cuida para não ter um recorte, um retrato. A minha história profissional me remete olhar para trás e é sempre de encontrar equipes equilibradas. Não defensivas, porque não gosto, tenho aversão. Quando atleta, sempre gostei de ter a bola comigo, é instinto. Meus amigos mais próximos sabem disso. Se tivesse que montar uma equipe quando eu estava (jogando), era tudo com meio-campista e meia-atacante. Mas para ganhar não é assim, tem que ter os dois processos. O futebol tem uma lógica, fazer gol e não tomar gol”.

“(…) Talvez os números estatísticos também mostre o equilíbrio que nós temos, uma média de dois gols de saldo. Quando eu vou ver dados estatísticos, tem o número de gols feitos. Eu olho. Aí vejo número de gols tomados. E o foco mais importante é o saldo de gols, é extremamente significativo. Ele (Brasil) é o melhor ataque da Seleção, tem o melhor saldo… Mas aí é estatístico, eu falei do geral, da ideia”, afirmou Tite.

O atacante Neymar foi motivo de diversos assuntos na coletiva do comandante. O técnico do Brasil disse que teve uma conversa particular com o jogador. Tite comentou que possui cuidado com a parte mental do camisa 10 da Amarelinha.

“Primeiro, eu aprendi ao longo do tempo e o start foi uma filha socióloga, que diz: igualdade não, equidade. O que um atleta precisa pode ser o que o outro não precisa, abordagens diferentes, correções diferentes, porque somos diferentes enquanto seres humanos. Temos uma preocupação geral. E mesmo se tivesse tido – e não vou responder à tua pergunta porque são coisas muito íntimas, de dentro de vestiário, no cunho particular. Eu vou ser direto contigo: se um técnico meu quando eu era atleta pegasse e externasse meus problemas de forma pública eu ia colocar para ele: por que não vem falar comigo antes e me expõe de forma pública? A gente é exposto pra caramba, nós somos cobrados pela nossa atividade”, declarou o treinador.

A seleção brasileira está garantida na Copa do Mundo desde o ano passado. Isso, não entanto, não é motivo para que a equipe brasileira encare os últimos jogos das Eliminatórias sem nível de competição. O técnico apontou que vai para o duelo com o habitual apetite por vitórias.

“Primeiro, eu tenho muito respeito pelo Chile. Uma coisa é querer ser melhor, competitivo, leal, forte, ser melhor tecnicamente e querer vencer o jogo. A outra é respeito pelo outro lado. Assim como todos os outros estão brigando pela classificação e nós estamos na nossa preparação para a Copa do Mundo”, completou.

Os comandados de Tite enfrentam a seleção chilena na noite desta quinta (24) no Maracanã. Na próxima terça (29), o Brasil vai até La Paz para enfrentar a Bolívia. O time canarinho está invicto nas Eliminatórias, com 12 vitórias e três empates em 15 partidas.

SBT News

 

OUTRAS NOTÍCIAS