Versículo do dia
Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus.

‘Vamos vencer essa batalha na oração’, diz Flordelis em áudio para fiéis

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Carolina Heringer
O GLOBO

A pastora e deputada federal Flordelis dos Santos, acusada de ser a mandante da morte de seu marido, o pastor Anderson do Carmo enviou um áudio para frequentadores de sua igreja em Piratininga, Niterói, na última terça-feira.

Na gravação, a qual o GLOBO teve acesso, a parlamentar convoca os fiéis para o culto que aconteceria naquele dia e defende seu filho afetivo, o pastor Carlos, que foi preso na segunda-feira acusado de envolvimento no assassinato de Anderson.

No áudio, Flordelis pede que nenhum fiel “dê respostas nas redes sociais” e diz que a “batalha” será vencida na oração. Carlos era responsável pela filial do Ministério Flordelis em Piratininga. Na gravação, a pastora diz ainda que é hora da “igreja unir forças e clamar”.

“Nada é permanente. Tudo vai passar. Já já tudo vai ser esclarecido. Vocês vão acompanhar aí todos os esclarecimentos. Pastor Carlos não tem nada a ver com nada, tá bom? É mais uma covardia, é mais um teatro desse povo. Mas nós vamos vencer essa batalha na oração. Ninguém dê resposta nas redes sociais. Não vamos brigar. Essa briga não é nossa. Essa briga é de Deus”, diz Flordelis no áudio enviado.

A deputada também afirma, na gravação, que o pastor Gerson Conceição Oliveira estará presente no culto de Piratininga. O pastor, que também é filho afetivo de Flordelis, está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí por suspeitas de envolvimento na morte de Anderson. Onze pessoas já foram indiciadas pela polícia e denunciadas pelo MP, mas um novo inquérito foi aberto para continuar as investigações sobre o crime.

No áudio, Flordelis não faz qualquer comentário sobre sobre as acusações do Ministério Público estadual e da Polícia Civil contra ela. As investigações concluíram que a deputada foi a mandante do assassinato de seu marido, o pastor Anderson do Carmo. Ela foi denunciada à Justiça por cinco crimes.

Na segunda-feira, equipes da DH e do MPRJ prenderam sete envolvidos no assassinato, entre eles cinco filhos e uma neta de Flordelis. A deputada ainda não fez qualquer aparição pública depois da operação.

Flordelis não pôde ser presa na operação porque a Constituição Federal lhe garante imunidade parlamentar. Deputados e senadores só podem ser presos em flagrante delito e por crime inafiançável . Sua defesa afirma que ela é inocente, e chamou a investigação de contraditória e espetaculosa.

Fonte: O GLOBO

OUTRAS NOTÍCIAS