Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 11/09/2018

Vídeos no Youtube usam fantoches para ensinar às crianças sobre ideologia de gênero

Uma organização canadense lançou uma série de vídeos do YouTube em 5 de setembro que usam fantoches para ensinar às crianças que a confusão de identidade de gênero e transgenerismo é normal.

 

Os três vídeos curtos visam crianças usando um boneco animado chamado Julien, que diz que seu nome já foi Julia. Os vídeos mostram a transição de Julien de uma menina para um menino e incluem esquetes sobre o corte de cabelo do boneco, vestindo roupas novas e brincando com novos brinquedos específicos de gênero.

 

“Olá. Meu nome é Julien”, diz o boneco em um vídeo introdutório. “Quando eu era pequena, as pessoas me chamavam de Julia e pensavam que eu era uma garotinha. Mas no meu coração, eu me sentia como um garotinho. Se você quer conhecer meu mundo, amigos e uma história maravilhosa, clique neste link.”

 

O link leva os espectadores a outros vídeos – disponíveis em inglês e francês – que mostram a transição de Julien.

 

“Eu me sinto triste”, diz ele no primeiro vídeo, quando ele é uma menina.

 

“Mesmo? Por que você se sente tão triste? – pergunta o amigo de Julien.

 

“Eu preciso que as pessoas parem de me chamar de Julia.”

 

“Bem. O que você quer que eles chamem você?

 

“Julien”, o boneco responde. “Eu não sou uma garotinha. Eu nunca me senti como uma garota. Todo mundo acha que eu sou uma garotinha. … Não quero mais usar vestidos ou roupas de meninas.”

 

O amigo de Julien então diz a ele que ela será sua amiga e vai ao salão onde o boneco vai cortar o cabelo. Ela então diz a Julien: “Você sabia que existem muitas crianças como você no mundo? … Existem milhões e milhões.”

 

“Uau! Isso é maravilhoso ”, responde Julien.

 

Os vídeos são patrocinados pela Fundação Jasmin Roy Sophie Desmarais, uma organização que diz “lutar contra bullying, violência e discriminação contra crianças de escolas primárias e secundárias”. A organização também divulgou guias de estudo para pais e professores.

 

Ideologia de gênero nas crianças

 

Após a ideologia de gênero passar a ser aceita em escolas e outras instituições da Escócia, o número de crianças confusas com relação ao seu próprio gênero (masculino ou feminino) que foram enviadas para especialistas aumentou cerca de 500% em quatro anos, no país.

 

Em 2013, apenas 34 crianças foram enviadas para apoio especializado a crianças com disforia de gênero (distúrbio que gera o conflito sobre a definição de gênero), de acordo com o jornal ‘The Times Scotland’. Mas esse número tem vindo a multiplicar quase todos os anos desde então, acabou excedendo a quantidade de 200 crianças em 2016.

 

Aqui no Brasil, o Conselho Regional de Medicina de São Paulo adotou posicionamento contrário à ideologia de gênero durante reunião plenário realizada no início deste ano, na qual discutiu-se temas relacionados à saúde mental de criança e adolescentes.

 

A resolução adotada pelo Conselho após a plenária, traz considerações sobre o desenvolvimento psicológico de crianças e adolescentes

 

Nos EUA, uma declaração do Colégio Americano de Pediatria pediu aos legisladores e educadores, em 2016, que rejeitem todas as políticas que condicionam as crianças a aceitar os conceitos de transgênero/transexualidade como normais, acrescentando que as tentativas de normalizar uma condição classificada como um desvio de conduta é um abuso infantil.

 

 

Fonte: Christian Headlines