YouTube tem o direito de censurar conteúdo conservador, decide o tribunal

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp

Tribunal de Apelações dos EUA do Nono Circuito decidiu que a plataforma de compartilhamento de vídeo não é obrigada a permitir que todos os pontos de vista sejam compartilhados no site.

 

A decisão foi uma resposta a uma contestação legal da PragerU, uma organização sem fins lucrativos de direita americana, contra o YouTube e o Google.

 

O tribunal de apelações confirmou o veredicto de um tribunal inferior que negou provimento ao processo da organização.

 

Ao proferir o julgamento, a juíza M McKeown disse que a liberdade de expressão não era garantida no YouTube porque não era um fórum público.

 

“Apesar da onipresença do YouTube e de seu papel como plataforma pública, ele permanece um fórum privado, não um fórum público sujeito a escrutínio judicial sob a Primeira Emenda”, escreveu ela.

 

A censura de conteúdo conservador no YouTube não é ilegal, decidiu um tribunal dos EUA.

 

O Tribunal de Apelações dos EUA para o Nono Circuito decidiu na quarta-feira que a plataforma de compartilhamento de vídeo não é obrigada pela Primeira Emenda a permitir que todos os pontos de vista sejam compartilhados no site.

 

A decisão foi uma resposta a uma contestação legal da PragerU, uma organização sem fins lucrativos de direita americana, contra o YouTube e o Google.

 

O tribunal de apelações confirmou o veredicto de um tribunal inferior que negou provimento ao processo da organização.

 

Ao proferir o julgamento, a juíza M McKeown disse que a liberdade de expressão não era garantida no YouTube porque não era um fórum público.

 

“Apesar da onipresença do YouTube e de seu papel como plataforma pública, ele permanece um fórum privado, não um fórum público sujeito a escrutínio judicial sob a Primeira Emenda”, escreveu ela.

 

“Infelizmente, parece que até o Nono Circuito tem medo de Golias – Google. Não terminamos de lutar pela liberdade de expressão e continuaremos avançando.”

 

Folha Gospel com informações de The Christian Today

OUTRAS NOTÍCIAS