Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 20/08/2015

Jovem cristã é condenada a 20 chicotadas por usar calças

unnamed (1)Uma moça cristã sudanesa de 19 anos de idade foi condenado a suportar dolorosas 20 chicotadas por ter cometido o “crime” de “vestimenta indecente” ao usar calças enquanto estava a caminho de casa, vindo de um culto em sua igreja.

 

A jovem Fardos al-Toum é uma das 12 mulheres cristãs que foram presas no dia 25 de junho, por usar calças e saias, enquanto voltavam de um culto em uma igreja Batista para suas casas, em Cartum. Ela foi a primeira das mulheres jovens a ser julgada em 6 de julho, sob acusações de “vestimenta indecente”. Junto com uma multa de 500 libras, que foi paga por ativistas de ajuda humanitária, ela também foi condenada a receber uma punição de tortura, com 20 chicotadas, segundo a CNN informou.

 

Depois que elas foram presas, as jovens que têm entre 17 e 23 anos de idade, foram levadas para a delegacia de polícia, onde duas delas foram libertas – as outras 10 foram forçadas a tirar suas roupas. Elas permaneceram detidas por mais de 24 horas e foram acusadas ??de vestimenta indecente.

 

Muhamad Mustafa, o advogado que representa as mulheres acusadas, entrou com recurso da sentença de al-Toum. Embora as outras jovens estivessem similarmente vestidas, eles foram poupadas de uma condenação tão brutal. Quatro dessas mulheres foram multadas, enquanto outras quatro foram inocentadas das acusações. Uma ainda está aguardando julgamento.

 
Inaplicabilidade

 

Embora as jovens fossem consideradas culpadas por violar o artigo 152 do ano de 1991 do Código Penal do Sudão – o que pode levar a uma punição de até 40 chicotadas, muitos ativistas de direitos humanos afirmaram que a Constituição do Sudão isenta os cristãos e outras minorias religiosas de serem responsabilizados pela “crime de vestimenta indecente”, previsto em seu Código, porque este é um aspecto da lei Shariah.

 

De acordo com o grupo de direitos humanos da Anistia Internacional, al-Toum quase recebeu uma segunda condenação pelo mesmo crime, porque compareceu à audição no tribunal, usando um vestido.

 

Enquanto al-Toum e Mustafa aguardam uma palavra sobre seu recurso, nenhuma data foi definida para a execução da pena da moça (20 chibatadas). Além disso, Mustafa entrou com uma queixa sobre o comportamento do juiz durante a audiência.

 
Mobilização

 

A Anistia Internacional iniciou uma campanha on-line, permitindo que os indivíduos interessados enviem cartas pré-escritas para as autoridades sudanesas instando-os a retirar as acusações contra al-Toum e as outras nove mulheres jovens. Além disso, a campanha pede que o governo sudanês venha a abolir a flagelação como uma punição judicial, e revogue a lei de “vestimenta indecente” do país.

 

“Uma surra e outras formas de castigo corporal nunca devem ser usados como punição – que constituem tortura, e não deve ser infligido como parte de um sistema de justiça”, diz o texto da campanha da Anistia Internacional. “Além disso, essas mulheres não cometeram nenhum crime. Elas foram submetidas a imprecisões, leis discriminatórias aleatórias”.

 

“Embora a lei de ‘vestimenta indecente’ do Sudão seja amplamente escrita e não deva aplicar-se a minorias religiosas, a aplicação da lei no caso das mulheres é apenas mais um exemplo do governo sudanês que tem como alvo os cristãos”, disse Faith McDonnell do Instituto de Religião e Democracia anteriormente disse ao ‘Christian Message’.

 

“Este incidente é apenas outro exemplo de assédio permanente do regime de Cartum contra cristãos. É uma tática de intimidação do regime islâmico, tentando desencorajar os cristãos de frequentar a igreja”, afirmou McDonnell. “Afinal de contas, o presidente Omar al Bashir – já indiciado por crimes de guerra – declarou que não há espaço para o cristianismo neste país dominado pela Shariah. Além disso, não é uma coincidência que estas meninas e mulheres sejam da etnia Nuba. Eles são parte de uma comunidade de sudaneses marginalizados pelo regime racista arabista”.

 
Foto: Reuters)Fonte: Guiame, com informações do Christian Post