Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 16/03/2016

Pessoas estão sendo queimadas vivas no Sudão do Sul, alerta a ONU

7

Oficiais locais da Igreja no Sudão do Sul confirmaram um relatório das Nações Unidas recentemente divulgado, descrevendo os horrores da guerra civil no país, incluindo estupros em massa, crianças com necessidades especiais sendo queimadas vivas, penduradas ou cortadas em pedaços.

 

 
“O relatório da ONU é definitivamente confiável”, informaram as fontes da Igreja à Agência ‘Fides News’. Os nomes das fontes estão sendo mantidos sob sigilo, por questões de segurança.

 

 
“Vimos membros da comissão de inquérito fazendo um trabalho completo em solo até o final de janeiro, reunindo e entrevistando testemunhas locais. A utilização sistemática de estupros em massa para humilhar o adversário é terrivelmente real e generalizada”, acrescentaram.

 

 
A ONU disse que os documentos contém “registros angustiantes de civis pró-oposição sendo queimados vivos, sufocados em containers, baleados, enforcados em árvores ou esquartejados”. Segundo a Fides, as crianças e as pessoas com deficiência estão entre essas vítimas, bem .
A guerra civil do país eclodiu em dezembro de 2013, na sequência de um conflito entre o presidente Salva Kiir – pertencente à etnia Dinka – e seu rival, o ex-vice-presidente Riek Machar – da etnia Nuer.
A ONU acusou as forças estaduais de serem responsáveis pela maior parte da violência em 2015, dado que a oposição está enfraquecendo.

 

 
O Alto Comissariado do Gabinete da ONU para os Direitos Humanos afirmou que as estatísticas de estupro são particularmente “chocantes”, após analisar mais de 1.300 relatos de estupro, apenas no estado de Unity.
“A escala e os tipos de violência sexual – praticados principalmente pelas forças Governo e as milícias afiliadas – são descritos com detalhes devastadores, enquanto esta parece ser uma atitude quase casual, mas calculada para a execução de civis e destruição de seus bens e meios de subsistência”, disse o Alto Comissário da ONU para os Direitos Humanos, Zeid Ra’ad Al Hussein.

 

 
O Subsecretário-Geral para os Direitos Humanos, Ivan Simonovic advertiu que um dos principais problemas no Sudão do Sul é que “o estupro é aceito”.

 

 
“A violação [estupro] está acontecendo na presença de membros da família e as mulheres são forçadas a se despir e marchar pelas ruas”, acrescentou.

 

 
O relatório acrescenta que os ativistas da sociedade civil, defensores dos direitos humanos, jornalistas, funcionários da mídia impressa e da ONU também têm enfrentado ameaças de prisões e em alguns casos, foram assassinados pelas forças do governo.

 

 
O violento conflito produziu notícias ainda mais chocantes de pessoas que foram obrigadas a comer carne humana e beber sangue, segundo a União Africano revelou volta em Outubro de 2015.

 

 
Testemunhas de crimes de guerra cometidos nas regiões de Juba, Bor, Bentiu e Malakal disseram que assistiram aos perpetradores “drenarem o sangue de pessoas que tinham acabado de morrer e forçarem outras pessoas de uma comunidade étnica a beberem aquele sangue ou comerem carne humana queimada”.

 

 
Os horrores do conflito do Sudão do Sul foram destacados por alguns líderes evangélicos nos Estados Unidos, como o Rev. Franklin Graham, que escreveu em julho:

 

 
“Essas pessoas estão sofrendo além da crença. Estão sendo bombardeadas por seu próprio governo”.
Graham, que lidera organização humanitária ‘Bolsa do Samaritano’, acrescentou: “A guerra continuou em Nuba e no Nilo Azul, desestabilizando toda o nordeste da África e devastando o Sudão do Sul – toda a região está sob fogo, assistindo a um derramamento de sangue”.

 

 
David Marshall, coordenador da ONU de direitos humanos missão de avaliação ao Sudão do Sul, também insistiu que os líderes militares que realizaram os crimes de guerra durante a guerra civil não devem ser autorizados a participar no governo de transição.

 

 
GUIAME