Versículo do dia
Porque qualquer que quiser salvar a sua vida perdê-la-á; mas qualquer que, por amor de mim, perder a sua vida a salvará.

China: policias ordenam que os cristãos parem de crer em Deus

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Christians attend a Sunday service at Shouwang Church in Beijing's Haidian district, in this October 3, 2010 file photo. Seventeen churches in China have appealed to China's lawmakers to provide legal protection of religious freedom after police detained dozens of Christians from the Beijing church that has been trying to hold outdoor services. The petition, delivered on May 11, 2011, by hand to the National People's Congress -- China's rubber-stamp parliament -- was the first of its kind and the boldest statement by the nation's "house churches" to the central government. REUTERS/Petar Kujundzic/Files (CHINA - Tags: RELIGION SOCIETY)

As igrejas domésticas em toda a China sofreram intensas perseguições nos últimos meses, com autoridades comunistas dizendo aos cristãos que eles não têm permissão para acreditar em Deus no país ateu.

Bitter Winter, uma publicação produzida pelo Centro de Estudos sobre Nova Religião, que cobre questões de direitos humanos na China, documentou vários casos em que os cristãos foram ameaçados e assediados por funcionários do Partido Comunista Chinês.

Em junho, um grupo de oficiais da cidade de Leiyang, na província central de Hunan, invadiu uma igreja doméstica. Eles confiscaram a caixa de doações da igreja e destruíram 10 versículos da Bíblia nas paredes, dizendo aos cristãos que suas ações eram “o resultado de sua desobediência” e que era “ilegal realizar reuniões religiosas sem permissão ou ingressar na Igreja Three-Self (autorizada pelo regime)”.

Em maio, o Departamento de Assuntos Religiosos da cidade de Yongzhou, na província, fechou uma igreja doméstica por “realizar reuniões ilegais sem permissão” e confiscou todos os objetos de valor do local, incluindo um computador, uma fotocopiadora e Bíblias.

Em abril, a polícia da cidade de Dengzhou, na província central de Henan, invadiu uma igreja doméstica, confiscou suas Bíblias e hinários e levou oito membros da congregação a uma delegacia para interrogatório.

Um cristão depois revelou que um policial disse a ele que eles “não podiam acreditar em Deus na China”.

Ele também revelou que, cerca de 15 dias depois, a polícia visitou os oito membros presos em casa para perguntar se eles continuavam a participar de reuniões religiosas. Os policiais avisaram que seriam condenados de três a cinco anos de prisão se eles se reunissem novamente.

“Não violamos nenhuma lei crendo em Deus, mas o governo nos trata assim”, disse o cristão. “O governo quer eliminar todas as religiões e nos ameaça com o futuro de nossos familiares, forçando-nos a desistir de nossa crença. É realmente sem vergonha.

O cristianismo protestante é uma das cinco religiões aprovadas ao lado do budismo, taoísmo, islamismo e catolicismo na China. As organizações religiosas devem se registrar em uma das cinco associações religiosas patrióticas sancionadas pelo Estado, supervisionadas pela Administração Estatal de Assuntos Religiosos.

As igrejas cristãs que se recusam a se registrar no governo, conhecidas como “igrejas domésticas”, são ilegais. No entanto, mesmo as igrejas Three Self – aquelas registradas no governo – sofreram um aumento nas perseguições nos últimos meses.

Inúmeros relatórios revelaram a perseguição que os cristãos sofreram nas mãos do Partido Comunista Chinês (PCCh), incluindo prisões, detenções e ataques à igreja. Essa perseguição faz parte dos esforços do presidente chinês Xi Jinping para abolir a religião e reforçar o controle sobre a vida das pessoas.

No condado de Yugan, as autoridades fecharam pelo menos 48 igrejas Three Self e locais de reuniões entre 18 e 30 de abril, de acordo com o Bitter Winter.

A revista informou que “um número incontável de igrejas” também recebeu ordens para remover suas cruzes em Jiujiang, Fuzhou, Fengcheng, Shangrao e algumas outras cidades da província em abril.

A Portas Abertas classifica a China como um dos piores países do mundo quando se trata de perseguição a cristãos. A organização observa que todas as igrejas são vistas como uma ameaça se elas se tornarem grandes demais, políticas demais ou convidarem convidados estrangeiros.

Segundo algumas estimativas, há mais cristãos na China do que membros do Partido Comunista.

Folha Gospel com informações de The Christian Post

OUTRAS NOTÍCIAS