Versículo do dia
Porque eu sei que o meu Redentor vive, e que por fim se levantará sobre a terra.

Pacientes com doenças do aedes aegypti são maior demanda em unidades de saúde

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

download (1)Dores nas articulações, febre repentina e falta de apetite têm sido as queixas mais comuns de pacientes que procuram as unidades de saúde do município. Nos últimos meses, a grande procura pelo atendimento nas policlínicas e nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) está associada aos principais sintomas da dengue, febre chikungunya e zika vírus.

 

Somente de janeiro até a manhã desta terça-feira, 21, a Divisão de Vigilância Epidemiológica (Viep) notificou 1.999 casos de dengue, sendo 605 confirmados – destes dois foram graves – e 584 casos de zika vírus. E foram notificados 3.108 casos suspeitos da chikungunya, conforme o boletim epidemiológico divulgado no dia 13.

 

Mesmo diante de um número expressivo de pessoas acometidas pelas doenças transmitidas pelo aedes aegypti, que chegam às unidades de saúde diariamente, médicos, enfermeiros e técnicos da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) têm assegurado a assistência necessária e adequada aos pacientes. Para isso, passaram por treinamento e capacitações.

 

Ao dar entrada em uma das policlínicas, cujos serviços são de urgência e emergência, o paciente passa por avaliação do enfermeiro, preparado para identificar os sinais das doenças: se apresenta desidratação, pressão baixa, vômito, dor abdominal, ausência de urina e plaquetas baixas.

 

“Após a classificação de risco e a identificação se pertence ao grupo prioritário, a exemplo de gestante, menores de 2 anos, diabético e hipertenso – são pessoas que têm maior probabilidade do quadro evoluir para as complicações – esse paciente é encaminhado para o médico de plantão”, afirma a enfermeira da Policlínica Dr. Francisco Martins da Silva, localizada no bairro Rua Nova, Flávia Moura.

 

ATENÇÃO BÁSICA

 

Contudo, a recomendação da SMS é que os usuários procurem uma UBS ou o PSF já no primeiro atendimento para não superlotar as policlínicas. A exceção é quando a necessidade pelo serviço ocorra no final de semana, feriados ou à noite. “Orientamos as pessoas que procurem a Atenção Básica, onde terá o acolhimento do profissional preparado para conduzir o tratamento”, diz a enfermeira da SMS, Leilane Lacerda.

 

Durante o acompanhamento clínico ambulatorial, os pacientes são submetidos a uma avaliação com o enfermeiro, na qual são solicitados exames laboratoriais (hemograma). Depois ele é encaminhado ao médico da sua área de abrangência.

 

A enfermeira da UBS da Rua Nova, Ivana Soares, afirma que ainda faz parte do trabalho de rotina dos profissionais conscientizar os moradores a combater o mosquito aedes aegypti. “Além desse aconselhamento, falamos dos sintomas e diagnóstico das doenças que são transmitidas pelo mosquito”, comenta. São ações realizadas em parceria com os agentes de saúde.

 

As informações são da Secom

OUTRAS NOTÍCIAS